A Arteterapia: um novo sentido de vida

A Arteterapia: um novo sentido de vida, novos propósitos e objetivos reinventados!

A arteterapia consiste na utilização de recursos artísticos em contextos terapêuticos onde a pessoa pode enxergar-se através das percepções, sensações e refazer-se, isto é, organizar a sua própria existência criativamente, sendo sujeito da própria história sendo o artista da própria vida.

A arteterapia é um facilitador para a expressão de nossos medos e angústias. É um caminho para ajudar na canalização desses sentimentos que surgem dentro de nós e não tem para onde ir. Possui como proposta o estímulo à confecção de desenhos livres, como meio de expressão dos sonhos, sentimentos e conflitos.  Em uma sessão de Arteterapia a criação acontece de forma espontânea, sem uma preocupação com padrões estéticos, propiciando a expressão não verbal onde as emoções acabam fluindo através das tintas, darão forma com a argila e terão sentido no tecer.

Entre os instrumentos utilizados estão a pintura, colagem, modelagem, fotografia, tecelagem, expressão corporal, teatro, sons, músicas ou criação de personagens. Os resultados são muitos, rápidos e profundos, pois a arte possibilita a cura por meio da expressão das emoções e da ampliação da percepção do mundo subjetivo (consciência).

Os benefícios da arteterapia são inúmeros entre eles podemos citar o bem-estar físico, mental e emocional, melhora da autoestima, desenvolvimento do potencial criativo e autodescoberta. Através de insight’s também auxilia na integração do passado com o presente, obtendo-se uma melhor qualidade de vida.

Quem é que não gostaria de expressar-se livremente, abrir seu coração livre de críticas, comparações ou interpretações??? Pois bem, o processo de arteterapia nos dá a oportunidade de fazer tudo isso!!! Ele representa a possibilidade de desafiar o velho, permitindo a crença de que criar algo novo, na vida, é possível.

Por Sonia Radovan Graça, 53 anos, psicóloga e aluna do 2º ano de especialização em Arteterapia no Instituto Sedes Sapientiae. Atua como psicoterapeuta em consultório e casas de repouso. Voluntária no Instituto de Psquiatria do Hospital das Clínicas.

Por | 2017-07-25T11:16:14+00:00 04/07/2016|13 Comentários

13 Comentários

  1. Lúcia Maria Vasconcelos Lopes 04/07/2016 em 12:27 - Responder

    Um dia abri o computador e nele havia uma mensagem do Mundo Prateado. Gostei tanto da ideia que ora me atrevo a comentar sobre Arteterapia. Só poderia mesmo vir de uma psicóloga.como a Sonia. Inteligente e sensível aos desejos e carências que nosso super ego que, muitas vezes retêm estas inclinações íntimas até a morte. Esta espécie de válvula de escape é sobremaneira interessante no mundo dos prateados. Façamos o que nos vem como tendência ou inclinação mental mais forte ao espírito às vezes inquieto. São tantas as artes que podem por alguém ser desenvolvidas…Escolhamos a que mais prazer nos traz. Particularmente, gosto de escrever. E perguntaria aos companheiros deste mundo cor de prata, como e aonde eu poderia escrever pequenas histórias, crônicas e poesias. Finalmente, renovo meus parabéns à Sonia e ao seu mundo prateado. Lúcia.

    • Fabrício Yutaka Fujikawa 04/07/2016 em 14:30 - Responder

      Olá Lúcia,

      Muito obrigado pelo seu comentário. Enviei há algumas horas um e-mail para você relatando como poderíamos receber suas contribuições. (E aproveito aqui para agradecer novamente por sua voluntariedade!)

      Por favor, caso não receba o e-mail, entre em contato comigo por aqui mesmo, tudo bem?

      Um abraço,
      Fabrício

    • Carlota Esteves 06/07/2016 em 18:15 - Responder

      Também gostei muito das informações e da maneira de expor. Como estamos desenvolvendo uma Plataforma Longevidade Brasil voltada para impulsionar a “Revolução da Longevidade”, artigos de idosos serão muito bem-vindos. Aguarde Lúcia Maria Vasconcelos Lopes (04/07/2016 em 12:27).

      • Fabrício Yutaka Fujikawa 06/07/2016 em 20:58 - Responder

        Muito obrigado pelo comentário, Carlota!

        Um abraço,
        Fabrício

  2. Ana Adelaide Peixoto 05/07/2016 em 08:20 - Responder

    Gostei muito do texto , mais ainda das informações sobre arteterapia. Nessa fase da vida muitas pessoas querem exercitar alguma forma de expressão que antes, pelas circunstâncias tantas, não foi possível. Se expressar é preciso! E que bom que tem pessoas que se propõem a puxar as tantas linhas desses novelos criadores que somos todos nós!

    • Fabrício Yutaka Fujikawa 05/07/2016 em 08:25 - Responder

      Muito obrigado pelo comentário, Ana!

      Um abraço,
      Fabrício

  3. Magaly Campelo Magalhães 07/07/2016 em 12:41 - Responder

    O artigo sobre arteterapia que nos é apresentado neste momento goza de ampla receptividade neste ambiente de estudo e avaliações por nos apresentar não só um quadro do que é capaz a Arte ao ser convocada como elemento básico em terapias, mas sua ação benéfica sobre o paciente e sua capacidade de influir de modo decisivo no processo da cura. Em linguagem precisa, mas acessível, Sônia Graça explica a utilização desses recursos artísticos na recuperação da autoestima de seus pacientes que passam a se perceberem a si próprios e a reger sua própria existência.

    A arteterapia lida com nossas incertezas, com nossos medos, com todos esses sentimentos negativos, tentando direcioná-los através da arte. O paciente passa a se expressar através do que consegue pelo desenho, pela colagem, pela pintura, pelos canais que a arte lhe pode oferecer até vir a se expressar livremente com desenvoltura e propriedade. Muitos são os benefícios que a arteterapia nos oferece, mas dentre eles ressalta o da autodescoberta, essencial e definitivo nos tratamentos em questão.

    Magaly

    • Fabrício Yutaka Fujikawa 08/07/2016 em 13:01 - Responder

      Muito obrigado pelo comentário, Magaly!

      Um abraço,
      Fabrício

  4. Vieira Correia Lais 10/07/2016 em 10:41 - Responder

    Perceber-se como sujeito da sua própria história é atingir o mais alto nível de conscientização a que todo homem pode e deve atingir. Identifiquei-me muito com o seu artigo, porque vivo essa experiência em grupos de Catecumenato (Evangelização de Adultos, batizados, mas não evangelizados). Através do método Ver-Julgar-Agir cada um procura Ver e Estar situado no tempo e no espaço (variáveis cronototópicas, na dinâmica dos fatos sociais, políticos econômicos, religiosos, culturais, ideológicos e éticos e Iluminados pela palavra de Deus contidas na Bíblia Sagrada, trabalham a sua própria Conversão e partem para um novo Agir contextualizado (sua realidade e a do mundo onde vive e transita). Tudo é vivido NO mundo e COM o mundo é partilhado no grupo. Cada um assume o seu EU, fala de si e de sua história (seu Novo AGIR, comprometido com o outro).Obrigada pelo espaco.

    • Fabrício Yutaka Fujikawa 11/07/2016 em 08:09 - Responder

      Muito obrigado pelo comentário!

      Um abraço,
      Fabrício

  5. Natalia 18/05/2017 em 10:05 - Responder

    Td é válido desde que nos faça bem. Achei o texto muito bom. É um incentivo pra quem está em casa sem perspectiva. Um abraço

  6. Adriana 14/09/2017 em 09:30 - Responder

    Ótimo texto! Estou adorando acompanhar o mundo prateado!

    • Luiza Morena 01/10/2017 em 19:33 - Responder

      Olá Adriana, ficamos felizes em poder colaborar com nossos conteúdos!

      Uma ótima semana,

      Luiza

Deixar Um Comentário