MP Cultural

Humor estereotipado perde a graça? Um evento planejado para os 50+ precisa, necessariamente, falar sobre envelhecimento? Eu envelheci, mas o mundo é que ficou careta?

Não se assuste com as perguntas acima, pelo contrário, incorpore a reflexão. E acredite: nós fizemos e refizemos algumas delas – ou todas– diversas vezes ao longo das últimas semanas.

Em função de nossa equipe estar muito imersa no assunto “envelhecimento” e ter um propósito bem definido (que é criar uma rede de colaboração e incentivar a maturidade ativa) acabamos por nos podar, muitas vezes, em função do politicamente correto, do socialmente aceitável ou, em outros casos, apenas buscamos caminhos e temas mais voltados para de alguma maneira prestar um serviço e ajudar. É necessário.

Mas também é necessário dar boas risadas e não se ater a pré-conceitos, dar asas à imaginação sem os freios da idade, ir a um evento voltado aos 50+ que não tenha como pauta o envelhecimento ou simplesmente encarar com outros olhos a maturidade.

É por isso que o nosso MP Cultural desse mês veio leve, com um ar divertido que achamos fundamental em qualquer fase da vida. Queremos saber a sua opinião sobre as nossas dicas de filmes, livros, séries e eventos!

mp-cultural-comida-diversao-e-arte

Comida, Diversão & Arte

Lazer e interação para o público 50+ são os pilares do projeto Comida, Diversão e Arte, lançado no dia 25 de abril na Cidade das Artes, no Rio de Janeiro. Com longa duração, de abril a novembro, todas as terças, quartas e quintas-feiras o espaço receberá atividades gratuitas das 16h às 18h.

Nas terças-feiras o tempero gastronômico será a temática, nas quartas as tardes são de diversão e às quintas-feiras é a arte que tem vez. A cada semana as atrações futuras serão divulgadas, mas a promessa são oficinas, bate-papos, aulas de dança, sessões de filmes, entre outras atividades.

Quem visitou a Cidade das Artes no lançamento do projeto descobriu os segredos da Feijoada da Tia Surica, fez aulas de dança com o professor Everson Costa e conversou sobre televisão, cinema, teatro e muito mais com a atriz Betty Faria.

mp-cultural-grace-and-frankie

Grace & Frankie

Para assistir à série lançada pela Netflix damos uma dica: não se aborreça com os estereótipos da velhice, nem com a sua tendência à humorização. E esqueça o politicamente correto também.

Com protagonistas maduras, a história conta a vida de Grace (Jane Fonda) e Frankie (Lily Tomlin) a partir do momento em que são abandonadas por seus respectivos maridos, amigos de longa data, e recém-assumidos gays.

Os advogados Sol (Sam Waterston), ex de Frankie, e Robert (Martin Sheen), ex de Grace, assumem um relacionamento e para se recuperarem do golpe emocional as ex-mulheres se aproximam vivendo situações hilárias.

Para quem já começou a assistir, os episódios da segunda temporada serão disponibilizados pela Netflix no dia 6 de maio e a terceira temporada já foi confirmada com previsão de lançamento ainda para 2017.

mp-cultural-o-anciao-que-saiu-pela-janela-e-desapareceu

O ancião que saiu pela janela e desapareceu

Chegar aos cem anos, de fato, diverge opiniões: há quem tema a idade, há quem a anseie. Para Allan Karlsson foi um pulo. Na realidade um pulo pela janela do asilo em que vivia para celebrar a vida de uma nova maneira: através de uma roadtrip pela Suécia.

Inicialmente planejado para descrever o século XX de uma maneira humorística, mas ainda assim ressaltando as lacunas da humanidade, o escritor Jonas Jonasson buscou um personagem capaz de se comportar como um guia através do século e com idade suficiente para cobri-lo. O que o autor não imaginava é que durante a escrita “acabaria por conhecer Allan melhor e, no fim, o personagem se tornaria o centro da história, não o século”, conta.

Com doses de risadas intercaladas por flashbacks com personagens históricos, como Harry S. Truman, Mao Tsé-Tung, Kim Jong-il, Churchill, entre outros, o leitor acompanha o excêntrico viajante por sua corrida frenética – vestido de pijamas – pela Suécia. Entre uma perseguição da polícia ou uma fuga de uma gangue criminosa Allan ganha contornos de humanidade com suas pernas fracas, mas descortina as incertezas do futuro com uma vitalidade ímpar.

mp-cultural-rita-lee-uma-autobiografia

Rita Lee – Uma Autobiografia

Desconfiada sobre colocar a vida nas mãos de outra pessoa, Rita Lee se descobriu escritora e conta que fez as pazes com seu passado através da publicação de sua autobiografia. Com detalhes que aproximam o leitor da sua infância e não poupam eventos traumáticos, a leitura alcança a criação dos maiores sucessos da cantora como Ovelha Negra e Lança Perfume.

Hoje com 69 anos não é difícil enxergar em Rita e nas páginas escritas a mistura entre a roqueira que viveu as mais loucas bad trips e a avó coruja, mas a purificação vem acompanhada de tiradas que só podem ser dela: “com tudo o que eu tomei, é um milagre eu lembrar de alguma coisa”, fala a respeito da criação do livro.

Do primeiro disco voador à última página, Rita é consistente em seu relato e deixa a sua dedicatória: “contar o côté podrêra de próprio punho é coisa de quem, como eu, não se importa de perder o que resta de sua pouca reputação. Se eu quisesse babação de ovo, bastava contratar um ghost-writer para escrever uma ‘autorizada’”.

Gostou das sugestões?

Não se esqueça de deixar um comentário! Queremos saber o que achou do tema envelhecimento sob a ótica mais leve e descomplicada das nossas dicas de filmes, livros, séries no nosso MP Cultural de abril!

Grátis! Quer receber artigos do Mundo Prateado por e-mail?

Por | 2017-07-25T09:24:25+00:00 28/04/2017|5 Comentários

5 Comentários

  1. Maristela 01/05/2017 em 20:26 - Responder

    Luiza arrasando..

  2. Sonia 23/05/2017 em 06:42 - Responder

    Eu que acompanho o MP desde o nascimento, fico a cada dia mais impressionada com a qualidade e conteúdo do site
    Parabéns!!!!!!!!!!

    • Luiza Morena 24/05/2017 em 11:26 - Responder

      Olá Sônia, ficamos felizes que nossos conteúdos estejam sendo relevantes e de valor para você. Todo feedback e troca de ideias são bem-vindos. Contamos com você, ok?

  3. Ari Frazão 24/05/2017 em 21:46 - Responder

    Olá, Luiza.

    Eu estava lendo o e-mail que você me havia encaminhado com o conteúdo acima quando me veio o pensamento: “como escreve bem essa menina.” O fato é que o seu texto é leve, e você tem o dom de transmitir as suas ideias com uma fluidez invejável. Parabéns!

    • Luiza Morena 25/05/2017 em 09:34 - Responder

      Olá Ari, quanto elogio! Fico feliz de estar conseguindo transmitir um pouco do pensamento de toda a equipe do MP com as matérias. Espero que, cada vez mais, nossos conteúdos sejam interessantes e agreguem à sua vida. Esse feedback é muito importante para nós. Um abraço, Luiza.

Deixar Um Comentário